top of page
  • Foto do escritorPriscila Leal

Fisioterapia pélvica diminui os sintomas da endometriose



Silenciosa e dolorosa, a endometriose pode causar sérias dificuldades na vida de uma mulher, se não diagnosticada e tratada. Estima-se que uma a cada 10 mulheres sofra com os sintomas da doença e desconheça a sua existência. Em 2021, mais de 26,4 mil atendimentos foram feitos no Sistema Único de Saúde (SUS), e oito mil internações registradas na rede pública de saúde, segundo informações divulgadas no site Gov.br.


Ampliando este dados, somente no Brasil aproximadamente sete milhões de mulheres sofrem com este problema. Os sintomas mais comuns são:

  • Cólicas incapacitantes

  • Fluxo intenso

  • Dor durante a relação sexual

  • Diarreia

  • Em alguns casos, infertilidade


Diagnóstico

Para descobrir se possui a doença ou não, o primeiro passo é ir ao ginecologista, relatar seus sintomas e ele te encaminhará para exames específicos de som e imagem que irão apontar se há ou não focos de endometriose.



Fisioterapia pélvica

Esta fisioterapia tem como finalidade fortalecer o assoalho pélvico tratando e amenizando os sintomas de diversos problemas que podem atingir o quadrante inferior do corpo, inclusive para quem sofre com a endometriose. Segundo a Dra. Rute França especialista em fisioterapia pélvica, trabalhar a musculatura do assoalho pélvico pode trazer grandes benefícios como auxiliar no alívio as dores e reduzir o inchaço abdominal.


Para compreender melhor os benefícios da fisioterapia pélvica, assista nossa live sobre endometriose.




Comentarios


bottom of page